19/09/08

Vodka não é bom para o salto em altura.



Ivan Ukhov deu nas vistas durante a Athletissima de Lausanne, na Suíça. O saltador russo, segundo os relatos, dedicou-se ao vodka misturado com bebida energética, antes de entrar em competição, e acabou por ser o motivo da chacota dos adeptos presentes no recinto.

Ao longo de penosos dois minutos, Ukhov deixou indícios de um estado completamente alterado. Tanto que motivou a intervenção de um colega, para acabar de tirar as calças, bem como a de um juiz, alertado pelos aplausos jocosos dos espectadores, a incentivar o atleta.

O saltador russo cambaleou, deitou as mãos à cabeça mas tentou recuperar a pujança com uma aproximação ao chão. Baixou-se, olhou para o objectivo e foi em frente. A abordagem à fasquia não prometia muito. Ukhov correu, correu mais um pouco, ainda deve ter pensado em levantar voo, mas já não dava. Foi sempre em frente, sem tocar na fasquia, ficando largos segundos no colchão, a recuperar o raciocínio. Perante os assobios generalizados, o infeliz russo lá foi saindo de fininho, a pensar na ressaca do dia seguinte. E na vergonha, sobretudo. (do site maisfutebol.com)

11/09/08

Igualmente diferentes.


Jornada infeliz a das selecções cá da terra. Os Sub-21 foram postos fora da corrida e nem foram capazes de vencer a Irlanda - a equipa mais fraca do grupo. Pensar que aqueles jogadores serão, naturalmente, a futura selecção A é arrepiante.
A selecção de Queiroz apresentou muito mais futebol que os mais novos, mas acabou por não ser capaz de segurar a vantagem nos últimos minutos e acabou por perder. Quim explicou ao treinador com imagens a razão porque era suplente de Ricardo.

09/09/08

Fim-de-semana.

E lá está um fim-de-semana que correu bem. A chuva burguesa não estragou a festa do avante, a Drª. Manuela Ferreira Leite finalmente falou, o Benfica não perdeu pontos, os assaltos não ultrapassaram a média, a selecção ganhou, enfim, aparentemente foi bom.
Os comunistas na voz do seu secretário-geral (a quem eu tantas vezes chamo Jerónimo Martins) estão a levar muito a sério o seu crescendo nas sondagens e nos discursos políticos já se notam algumas diferenças como foi o caso da alusão à onda de assaltos no país, assunto normalmente tabu entre os pêcês.
Manuela Ferreira Leite falou para dizer que o melhor é estar calada, o que é uma grande verdade quando não se tem nada para dizer. Pena é que o seu amigo Cavaco não afine pelo mesmo diapasão, esse quando abre a boca é, realmente, uma tristeza.
Os benfiquistas ainda andam de volta do último jogo a repetirem que só há sumaríssimos para as cores encarnadas, que se o Luís Filipe Vieira falou com o árbitro o Pinto da Costa falou com os delegados, se o Nuno Gomes devia levar vermelho pela entrada sobre o Rodriguez os portistas deviam ir todos para a rua. E o apito dourado blá-blá-blá que faz parecer que só é mau porque beneficiou outros que não o clube da Luz. Entretanto não ganha coisa nenhuma em lado nenhum.
Os assaltos são usuais nesta altura do ano e extremam-se em anos de crise económica. É assim em todo o lado. Há, é claro, países mais bem preparados para combater a criminalidade e com leis mais bem estruturadas. Nós, apetece dizer: - por cá todos bem, nós andamos às avessas com a nossa polícia, com a nossa justiça e enquanto não resolvermos isso não nos vamos poder preparar para actuar num sistema de fronteira aberta onde os criminosos começam a ser conhecidos onde estão e mudam de esquina. Mudar de esquina quer dizer procurar terras onde a sua arte é melhor sucedida.
A Selecção ganhou a uma selecção muito mais fraquinha, impensável era não ganhar. Ainda não percebi muito bem porque há tanta gente que exige que Portugal vença Espanhas, Itálias e afins e tem tanta relutância em exigir, desde logo, uma vitória sobre Malta. Esquisitices.

02/09/08

É preciso lutar!

É aborrecida a vida que se esquece em 2 semanas e não existe ao fim de 4, mas regressa rapidamente em 2 dias. O meu país já não é e eu devo ser dos últimos resistentes. Passámos anos a apaziguar as tensões uns dos outros e agora tudo isto parece imutável. Mas não é, é preciso que se saiba. Mas tem de haver mutação a ideia já não pode ser resistir, tem de ser lutar. É urgente mudar.

O Estado da Nação: já ninguém acredita em ninguém nem em coisa nenhuma. Diz-se que a justiça protege os criminosos e os juízos aceitam mas culpam as leis.
A corrupção não tem limites e corruptos e corruptores acham-se iguais aos que dirigem a Nação.
Quem devia produzir não faz nenhum e mesmo assim acham-se mal pagos e protestam e fazem greves e, mantêm os postos de trabalho.
O desemprego aumenta constantemente mas não há loja que não tenha na montra o dístico: empregado/a precisa-se. Somos todos doutores de repente?
O país está na miséria. Está? Então onde estavam os miseráveis em Agosto? E como há tantos carros de alta cilindrada para alimentar o carjacking?

Férias: Fui para a Galiza pelo 18º ano consecutivo, tenho visto aquele povo a lutar ano após ano por melhores condições de vida, pela adaptação às exigências da nova Comunidade e pela manutenção das suas raízes e da sua identidade. Surpresa: - eles conseguiram!
Os galegos cagaram-se para as guerras políticas e não escolhem o partido escolhem os melhores e mais capazes, aceitaram a moleza dos mais idosos e deram-lhes colocações profissionais onde possam ser úteis e não se sintam inferiorizados. Apostaram na terra e orgulham-se disso a cada momento. E são felizes, estupidamente felizes.

Os nossos miúdos adoram a Galiza, mas já a estranham. Lá não têm tempo para birras: morde-lhes um bicho e logo aparecem "n" voluntários com uma cura para a dentada, zangam-se com o companheiro de brincadeiras e logo aparecem "n" negociadores a resolver a situação. Os miúdos queixam-se que os galegos andam todos a correr porque no hipermercado se há algo que não foi pesado ou se lhe falta o código de barras, eles saem da caixa a correr e vão fazer o trabalhinho. Não têm telefone? -pergunta a Helena. Têm mas assim é mais depressa, eles trabalham. Eles trabalham muito e são estupidamente felizes. É preciso lutar!