19/12/05

Peço desculpa...

...mas ainda não sei o que dizer. Acontece aos melhores, digo eu. De qualquer forma já sei que horas são, é uma progressão.

16/12/05

Está ali.

Já descobri onde está a porra do carro. Agora só falta descobrir como o vou tirar dali.

09/12/05

Estacionei, onde?

Estacionei sim, parei, não ando. Agora tenho de sair daqui, de ir a algum lado. Mas não sei onde estacionei e tenho de partir daí, não é?
Só vejo cacos por todo o lado. Se calhar não estacionei, bati e parti tudo.

06/12/05

Não me admira...

Não me admira nada que os mortos voltem à terra, encorporem outras gentes, façam acontecer coisas.
Não me admira nada porque quando se está morto pode-se fazer tudo. Não há nada a equacionar.

05/12/05

Hoje sonhei que...


quando acordasse tinha o mundo todo à espera para me devorar. Ainda ninguém me fez mal, até agora está bem de ver.

04/12/05

Cenas da vida ainda conjugal (o outro lado)

Ariana estava a passar por aquela fase em que a vida obriga a pensar muito e em que o sujeito se apresenta sempre na primeira pessoa do singular. Os namoricos terminavam quase sempre com um rol de acusações do outo lado e ela começava a pôr em causa se seria tão boa como pensava. Parecia que, de repente, ninguém a considerava uma boa aposta para se relacionar sentimentalmente.
Quem gostava de mim era o Tó, pensou. Bom, mas esse está agora com outra e parece que aquilo não está a correr mal, de qualquer forma da última vez que lhe liguei ele disse que podia ligar quando quisesse. Também dantes estava com a mulher e com os filhos e quando o chamava vinha logo a correr.
-Que se lixe vou-lhe ligar!

Cenas da vida ainda conjugal (o casal)

Ele atendeu o telefone e ficou estranho. Não era a primeira vez que acontecia e ela perguntou quem era e o homem atrapalhado tentou dar explicações. Contudo, a cada coisa que acrescentava aparecia alguma outra contraditória. Ela não estava a gostar, de repente sentiu um medo que desconhecia e que lhe gelava a alma. Continuou a questionar e o homem acabou por confessar que se tratava de um romance que tinha tido no outro casamento, que já lhe tinha dito que esta relação era diferente. Disse ainda que ela já lhe tinha deixado de ligar e que não percebia porque ligou agora.
A mulher com aquele ar forte, embora as lágrimas já rolassem, perguntou: -Mas tu acabaste com ela não foi?
-Sim acabei, disse-lhe que amava outra pessoa que estava a investir tudo nessa relação e me sentia feliz. A mulher aí sentiu uma brisa de ar quente, mas mesmo assim continuou: -Mas se mesmo assim ela continua a ligar é porque ou não percebeu ou tu não lhes explicaste bem, ou explicaste?
-Disse-lhe o que te disse à pouco. Que mais podia fazer? - respondeu ele.
A mulher com o peito a tremer não conseguia articular palavra. Desapareceu por instantes, voltando depois com a cara vermelha e molhada e da ombreira da porta disparou: -Vais arranjar depressinha uma solução para isso não vais?
E ele respondeu: -Querida já arranjei, vou trocar de telemóvel e assim acabaram-se as chamadas.

Ela pegou a mala, apagou a luz sem se virar e fechou a porta da rua.

02/12/05

01/12/05

A mim saiu-me isto, experimenta tu.

My Bloody Valentine
You Are...My Bloody Valentine.

You tend to be a bit distant and reclusive. You are
a leader as opposed to being a follower. You
are a perfectionist and pay very close
attention to detail. You have the tendency to
be lazy, which sometimes get's in the way of
you achieving whatever it is you may be trying
to perfect. You don't really care about what's
typically looked upon as the norm. You really
don't care about what people think about you at
all, or at least so you try and make it seem.
You care most about just being yourself.


what Creation Records band are you? (complete with text and images)
brought to you by Quizilla

Fez 70 anos que foi.


Todas as Cartas de Amor são Ridículas

Todas as cartas de amor são
Ridículas.
Não seriam cartas de amor se não fossem
Ridículas.
Também escrevi em meu tempo cartas de amor,
Como as outras,
Ridículas.

As cartas de amor, se há amor,
Têm de ser
Ridículas.

Mas, afinal,
Só as criaturas que nunca escreveram
Cartas de amor
É que são
Ridículas.

Quem me dera no tempo em que escrevia
Sem dar por isso
Cartas de amor
Ridículas.

A verdade é que hoje
As minhas memórias
Dessas cartas de amor
É que são
Ridículas.

(Todas as palavras esdrúxulas,
Como os sentimentos esdrúxulos,
São naturalmente
Ridículas.)

(Álvaro Campos)




Hoje seriam as cartas, os e-mails, os sms, os posts....

À toa(à tona da vida.).

Das janelas chegam sons
de almas satisfeitas
como a lembrar-me
que a vida é plural.
E há luzes e brilhos
e harmonias coloridas
e outras não tanto
embora sendo.
E até as músicas
me parecem destinadas
por alguém que nada sabe
de mim, é evidente.
Eu apanho do ar tudo
e consumo sem cessar
até o que desconheço
e não sei usar.
Sinto-me gente porque
me desvio de quem passa
e quem me olha
nem foge, nem se assusta.
Afinal há vida
para além do degredo
e dos sonhos negros
e da morte em vida.
Parece-me que estou feliz,
verbalizo e às vezes canto
só para mim, mas faço-o
e acho estranho.
Devia estar eufórico
mas não acredito nisso
por isso estou mas não entro
assim não me perco.
Não estou doente
apenas perdi a fé
contudo, quero estar
e ver sorrisos.

O que vai ser de mim
quando a noite acabar?

É preciso

É preciso ter certezas, quem as não tem nunca erra, mas também nunca acerta.