24/08/04

COMENTADORES

Dizia Descartes sobre os falsos filósofos:

“A obscuridade das distinções e dos princípios de que se servem é a causa de poderem falar de todas as coisas como se as soubessem e de sustentarem o que dizem contra os mais capazes e os mais subtis, sem que se tenha meios para os convencer. Por isso, tornam-se comparáveis a um cego que, para lutar sem desvantagens contra alguém que não é cego, levasse o adversário para o fundo de um subterrâneo muito escuro.”

Esta transcrição define a maioria dos comentadores de hoje, eles falam de tudo como se dominassem todas as matérias mas na maioria dos casos percebe-se melhor o que eles querem dizer do que o que dizem. Há dias assisti aos comentários do professor Marcelo e fiquei abismado. Ele falou da política do Governo, das eleições do PS, de futebol, de atletismo, dos casos de polícia e imagine-se, do Zé Maria. Custou-me ver o Prof. a falar daquilo até porque ele não sabia bem do que estava a falar, mas custou-me ainda mais ouvir depois cidadãos comuns a repetir o que tinham ouvido e quando alguém lhes perguntava porque diziam isso eles respondiam: -Sei lá foi o Prof. Marcelo que disse.
Os “Spin Doctors” portugueses trabalham a recibo verde e fazem questão em parecer sérios, independentes, verdadeiros, cultos e essas tretas.

Falei no Prof. mas o top destes espertinhos chama-se Nuno Rogeiro, é completamente absurdo como ele comenta tudo e como nega todas as evidências. Confesso que já tenho saudades de quando o homem levava os papelinhos na mão e passava o tempo a mostrar o cocuruto na TV, porque aí as coisas que dizia, mesmo que fossem fora do assunto, tinham lógica. Já o viram responder realmente a uma pergunta?
Um dia fomos, eu e a banda, convidados para um programa na RTP1 apresentado por Fernanda Serrano que se chamava “Noite dos Reis”. Os reis eram os Xutos & Pontapés e a ideia era eles tocarem, nós tocarmos e pelo meio haver um debate sobre a Chispalhada (os Xutos) que teria um convidado surpresa. Estavam os Xutos sentados na mesinha, estava eu também e de repente com pompa e circunstancia entra o convidado e quem era ele? – Pois era o Nuno Rogeiro ele próprio! Avisou antecipadamente que tinha de ir apanhar o avião e começou a falar: -Porque o rock assim, o rock assado, o álcool e as drogas, os jovens perdidos etc.…etc.… Às tantas pergunta-lhe a apresentadora, que deve ter sido alertada pela produção: -Mas olhe lá oh Nuno e tem acompanhado o percurso dos Xutos & Pontapés?
-Nem por isso, não é o meu estilo de música. Respondeu.
-Mas deve ter algum tema preferido…
-Eu acho que só conheço um que fala dos barcos e do capitão. Respondeu o comentador.
Claro que a mesa ficou embasbacada e ainda hoje pergunto o que foi ele lá fazer, percebem-me não é assim?

2 comentários:

Anónimo disse...

E ainda são pagos para dizerem... "nada".
Eles são espertos, burro é quem lhes paga e quem os ouve de livre vontade.

Refilona disse...

Já tinha saudades !!! :)
O mal deste país (um deles) é que muitos vão atrás do que dizem estas figuras públicas, mesmo que, como bem referencias, não saibam bem o porquê de assim encarreirarem... às vezes pergunto-me porque é que o 25 de Abril nos deu a liberdade de pensar e opinar pelas nossas cabeças, se tantos ainda preferem ignorar a massa cinzenta que possuem e enfileirar atrás de opiniões de outrem. Ainda que as não entendam !

Bjo